Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Curso FIC

I Curso de Economia Solidária para Mulheres Caiçaras

Publicado: Terça, 04 de Dezembro de 2018, 12h22 | Última atualização em Terça, 04 de Dezembro de 2018, 12h22

Encerrou-se no dia 01 de dezembro, o I Curso de Economia Solidária para Mulheres Caiçaras, realizado pelo IFSP Caraguatatuba, um curso com duração de 40 horas e voltado a mulheres nascidas e/ou moradoras da região do Litoral Norte.

Este curso é parte integrante do projeto de extensão de Economia Solidária para Mulheres Caiçaras, um projeto este aprovado no edital interno do IFSP que pertence ao Programa de Economia Solidária “Paul Singer” e que inicialmente buscou mapear as possíveis iniciativas vocacionadas de economia solidária desenvolvidas ou possíveis de serem desenvolvidas no município de Caraguatatuba, culminando posteriormente na realização do curso e uma feira com as suas participantes.

Sendo assim, o I Curso de Economia Solidária para Mulheres Caiçaras, teve seu início no dia 21 de novembro, no período das 18 horas até as 22 horas e contou com um seleto grupo de mulheres, envolvidas com atividades de cerâmica, artesanato, agricultura, alimentação natural e outras, sendo estas de Caraguatatuba e São Sebastião, que buscaram neste curso aprimoramento e possibilidades de desenvolvimento profissional e social.

Para a formação destas mulheres, ao longo do curso, lhes foram transmitidos conceitos e conhecimentos a respeito dos temas que envolvem a temática principal do curso, de uma forma bastante distribuída e organizada, e ainda, que contou com especialistas nos mais diversos aspectos a tratar a respeito do que de fato envolve a economia solidária.

Sendo assim o curso se desenhou com o Professor Ms. Cesar Augusto Ilódio Alves, dando introdução aos conceitos de economia solidária, algo que pode ser definido como sendo uma das grandes alternativas sustentáveis para o enfrentamento de crises de esfera econômica e social, sendo capaz de transformar comunidades inteiras e gerar além de renda e capacitação, novos negócios e empregos, algo fundamental a região que o projeto atende, fomentando novas práticas geradoras de desenvolvimento regional.

E que se seguiu com as explicativas da origem do conceito, introdução deste no Brasil e posteriormente, o que vem acontecendo aqui na região e em principal, em Caraguatatuba, a respeito do tema. E para melhor falar do que vem sendo realizado por aqui, o professor contou com a participação do empresário Marcelo Forestieri Fernandes, proprietário do Barlavento Cooworking, que falou sobre este tipo de negócio colaborativo e que é uma grande tendência a novos empreendimentos, pois possibilita a diminuição de custos, otimização e agrupamento de diversos segmentos e soluções em um único lugar, entre tantas outras vantagens.

 

 

Além de também tratar de questões e conhecimentos, de como um negócio com estas características precisam para ser corretamente gerenciado, abordando o quão fundamental estes cursos promovidos a capacitação são importantes, tal como este e outros promovidos por exemplo pelo Sebrae, e ainda, os desenvolvidos ou formatados nos empreendimentos privados, tal como o Barlavento Cooworking.

 

O curso contou ainda com a participação da SICREDI – Sistema de Crédito Cooperativo, que tratou especificamente do tema Cooperativismo, em uma palestra ministrada pelo Sr. Algemir Tome Hanauer, Gerente de Projetos Sociais da regional, que esteve acompanhado da Gerente PJ, a Sra. Suellen Feitas e do Gerente PF, Sr. Guilherme, estes ambos da unidade Caraguatatuba, que no momento que estiveram com a participante do curso, ainda os permitiram a tomada de dúvidas e esclarecimentos a respeito também de Educação Financeira, para pequenos e médios empreendimentos e vida pessoal, terminando com uma premiação em formato de sorteio de brindes a elas.

 

A forma como foi proferida a palestra e a atenção dispensada pela equipe da Sicredi, permitiu as participantes e convidados, esclarecimentos bastante pertinentes a todos que ainda não sabem perfeitamente o que é e como é, o papel e a atuação de uma cooperativa, principalmente podendo com esta apresentação, ser bastante compreendido que apesar do regime ser cooperativo e participativo, as possibilidades de ganhos e rentabilização são verdadeiros e uma das condições de quem busca este tipo de empreendimento como alternativa de sustentabilidade pessoal e profissional. Para todas inclusive foi disponibilizado um planejamento financeiro e um guia de bolso.

Curso de Economia Solidária para Mulheres Caiçaras 8

Na sequência tivemos ainda as participações da bolsista voluntária Vitória Metelo, que palestrou a respeito dos conceitos de empreendedorismo voltado a empreendimentos solidários, de forma a tornar evidente que mesmo neste regime mais participativo, é fundamental compreender que o alicerçamento de um negócio segue determinadas regras e precisa ser muito bem idealizado e projetado para que possam obter o sucesso desejado, principalmente quando conta com o envolvimento de diversos atores.

Curso de Economia Solidária para Mulheres Caiçaras 9

 

E não ocasionalmente ou sem propósito a palestrante já deixou o gancho para a participação seguinte que foi da artista artesã Sirley Ordonis, que nos contou entre tantas coisas, a respeito do empreendedorismo na prática e com prêmios, ou seja, a sua trajetória enquanto profissional, que hoje a faz uma referência em um mercado totalmente atrelado a economia solidária.

A artista artesã atua no setor de acessórios femininos, criando e fabricando bolsas, brincos, pulseiras e muitas outras coisas, com um material que ela mesma intitulou de fibra de pneu, a 13 anos atrás e que hoje foi adotado até mesmo, pelo setor fabricante de pneus.

 

 

Este material único que anteriormente era totalmente descartado no lixo e hoje nas mãos talentosas e a mente criativa desta profissional, tornam se objetos de arte e uso feminino, que inclusive já foi premiado nacionalmente e concorre internacionalmente a prêmios de concursos
de moda e sustentabilidade.

 

E para quem pensou que acabou, ainda não, o curso ainda teve o bolsista Marcelo Timpone, abordando o tema Autogestão, que se utilizou de dinâmicas, transmitindo as participantes a importância do planejamento e gerenciamento das decisões por meio da participação e igualdade de condições, seja na vida pessoal ou profissional. E quando pensando em negócios colaborativos, este sistema auto gestionário é algo crucial para o desenvolvimento e sucesso de todos.

 

A autogestão é um dos principais pilares da economia solidária e saber que é possível realizar tomadas de decisões em conjunto, pensando em um bem maior é fundamental a todo e qualquer negócio colaborativo

 


Deste modo o palestrante aproveitou para dar segmento ao tema futuro que foi abordado pela bolsista voluntária Fernanda Marcondes, que foi a Sustentabilidade, algo hoje crucial a todos, e que na economia solidária é fundamental, pois propicia o reaproveitamento do que a muitos é chamado de lixo, mas que com uma boa aplicação e destinação, pode se transformar em quase tudo. Algo que a palestrante com diversos recursos metodológicos, ilustrou bem ser papel de todos os que buscam um mundo melhor e uma condição profissional, enquanto envolto a agricultura, artesanato e outras áreas, que podem atuar em regime solidário.

Por fim, no sábado pela manhã, foi realizado o encerramento do curso, com a confraternização de todos os participantes e envolvidos, com um Café Solidário e a I Feira de Economia Solidária de Mulheres Caiçaras, realizada nas dependências do IFSP Campus Caraguatatuba (assunto que será reportado brevemente em outra matéria).

 

E deste modo dando por encerrado um primeiro ciclo de conceituações, debates e discussões, além de apresentações e créditos a temática de economia solidária, voltada ao desenvolvimento de novos empreendimentos e/ou iniciativas vocacionadas, neste regime que pode ser considerado mais justo, participativo e também rentável, que é proposto na economia solidária e que foi plantado em todas as participantes, que saíram deste momento com suas sementes plantadas em seus vasos simbólicos de um futuro prospero, que exige cuidados e dedicação, mas que pode gerar grandes oportunidades a todas.

E partimos todos com o desejo de que o que aqui foi plantado por todos, possa ser propagado em novas ações e melhoria no desenvolvimento de toda a região.

 

Fonte: Profº Ms. Cesar Augusto Ilódio Alves

registrado em:
Fim do conteúdo da página