Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Flashmob

Apresentação de vídeos curtos discutiu a masculinidade tóxica

Publicado: Quinta, 03 de Outubro de 2019, 16h25 | Última atualização em Quinta, 03 de Outubro de 2019, 16h25

No dia 30 de setembro de 2019, segunda-feira, no intervalo das aulas do período noturno (entre 20h40 e 20h55), no pátio em frente à lanchonete do Câmpus de Caraguatatuba do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), ocorreu um “flashmob” com a exibição de vídeos curtos que discutiram o tema da denominada “masculinidade tóxica”. Um flashmob é o nome, em inglês, dado para uma ação com mobilização rápida de caráter cultural e que acontece em algum ambiente aberto e de caráter público.

Público presente assistiu com bastante atenção os vídeos que foram apresentadosPúblico presente assistiu com bastante atenção os vídeos que foram apresentados

Os flashmobs fazem parte do rol de ações dos projetos de extensão “Apresentações Científicas e Culturais” e “Cinedebate” coordenados pelo Prof. Dr. Ricardo Roberto Plaza Teixeira e para a sua organização contaram com o apoio de bolsistas de extensão e de iniciação científica, bem como de estudantes voluntários, tais como André da Silva Mendes, Vinicius Amaral Sousa Abrahão, Yeté Abunã Marques Labarca, Higor Felipe Gonçalves de Arruda, Amanda Gabriela Ribeiro e Nicoli Rocha Santos.

Higor, André, Nicoli, Vinicius, Yeté, Amanda e professor Ricardo Plaza, antes do flashmobHigor, André, Nicoli, Vinicius, Yeté, Amanda e professor Ricardo Plaza, antes do flashmob

Diversos docentes e servidores técnico-administrativos do IFSP-Caraguatatuba compareceram e apoiaram a iniciativa. Ao final da atividade, as pessoas presentes aplaudiram a ação.

Professores Ricardo e Francisco durante o flashmobProfessores Ricardo e Francisco durante o flashmob

Este evento procurou abordar o conceito de masculinidade tóxica que está associada à ideia de que homens devem ser avaliados por padrões de força, violência, agressividade e brutalidade, enquanto as emoções seriam fraquezas.

Professores Ricardo e Sheyla durante o flashmob sobre masculinidade tóxicaProfessores Ricardo e Sheyla durante o flashmob sobre masculinidade tóxica

Assim, traços supostamente “femininos” seriam evitados, o que poderia levar à supressão de sentimentos, ao encorajamento da violência, à falta de incentivo em procurar ajuda e ao estímulo da homofobia e da misoginia. A masculinidade tóxica é prejudicial também para os próprios homens que exibem estes tipos de comportamento.

Maira e Ricardo antes do início do flashmob sobre masculinidade tóxicaMaira e Ricardo antes do início do flashmob sobre masculinidade tóxica

Nessa noite, foram exibidos três vídeos de curta duração. Inicialmente foi exibido o vídeo “O que é masculinidade tóxica? Desenhando” do canal “Quebrando o Tabu” do YouTube e que está disponível para ser assistido no link <https://www.youtube.com/watch?v=J26TDgBz3MI>. Em seguida foi exibido o começo do vídeo “A Saudável Masculinidade de Brooklyn Nine-Nine” do canal “EntrePlanos” e que está disponível para ser assistido no link <https://www.youtube.com/watch?v=WILfDC3QaSc>. Finalmente foi exibida a parte inicial do vídeo “Masculinidade: Tóxica, Frágil e Alpha? O Que Significa Ser Homem?” do canal “Normose” do YouTube e que está disponível para ser assistido no link <https://www.youtube.com/watch?v=ZUiYCYQHyg4>.

Público assistiu atentamente os vídeos exibidosPúblico assistiu atentamente os vídeos exibidos

Alguns artigos com boas reflexões sobre o tema da masculinidade tóxica são: “Sete exemplos de masculinidade tóxica que você reconhecerá no seu dia a dia” do site do jornal “El País – Brasil” (disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2019/01/22/estilo/1548175107_753307.html>), “Masculinidade tóxica: comportamentos que matam os homens” do site “Papo de Homem” (disponível em <https://papodehomem.com.br/masculinidade-toxica-comportamentos-que-matam-os-homens/>) e “Você sabe o que é masculinidade tóxica?” do site “Geledés – Instituto da Mulher Negra” (disponível em <https://www.geledes.org.br/voce-sabe-o-que-e-masculinidade-toxica/>).

Campanha “A masculinidade tóxica faz mal ao homem e pode virar violência contra a mulher”

Os equipamentos para a exibição dos vídeos foram montados no pátio em frente à lanchonete, pelos servidores Luiz Gustavo Nicola Mendes e Leandro Oliveira da Silva (da CTI – Coordenadoria de Tecnologia da Informação) a quem a equipe que organizou o evento agradece muito. A CTI sempre tem dado todo o suporte para eventos culturais como este.

Leandro, Ricardo e Luiz Gustavo, durante a montagem dos equipamentos para o flashmobLeandro, Ricardo e Luiz Gustavo, durante a montagem dos equipamentos para o flashmob

Durante o evento, ficou patente pelas reações que os estudantes presentes – tanto homens quanto mulheres – se interessaram bastante pela discussão propiciada pelos três vídeos que foram exibidos. Inclusive, após o final do flashmob, alguns dos presentes procuraram a equipe de bolsistas solicitando maiores informações sobre os links de como acessar os vídeos exibidos; essa informação foi fornecida aos interessados. Além disso, foi lembrado que no artigo que é publicado no site do IFSP-Caraguatatuba acerca do evento ocorrido são sempre indicados todos os links dos vídeos exibidos.

Atividades que provoquem um debate acerca de temas relacionados a questões sociais, educacionais, culturais e científicas e sobre direitos humanos, como estes flashmobs, são regularmente organizadas por bolsistas de iniciação científica e de extensão orientados pelo professor Ricardo Plaza, no âmbito dos projetos de extensão “Apresentações Científicas e Culturais” e “Cinedebate”. Seu objetivo principal é realizar reflexões críticas sobre ciência, mas também sobre história, cultura e educação, de modo a ampliar o repertório de conhecimentos e estimular os jovens para que raciocinem cientificamente e pensem de forma crítica. Todas estas atividades são gratuitas e abertas para quaisquer interessados, tanto da comunidade interna, quanto da comunidade externa ao IFSP; não é necessário fazer inscrição prévia. Professores e gestores de escolas públicas que pretendem que alunos de suas escolas participem de atividades deste gênero podem procurar o professor Ricardo Plaza, para juntos organizarem os detalhes.

Fonte: Prof. Dr. Ricardo Roberto Plaza Teixeira

registrado em:
Fim do conteúdo da página